Receitas

  • “O Inverno este ano está a ser longo”, ouviu-se repetidamente. De facto, Janeiro e Fevereiro foram meses bons no Pico, mas em Maio a chuva e o frio decidiram atacar com força. A água, fria, mais fria do que é habitual para esta altura, acabou por atrasar o inicio da época do atum e a Albacora que gosta de aparecer por águas açorianas por volta do fim de Maio a inicio de junho, este ano “está em força na Madeira” diziam com preocupação.

  • Lula com creme de couve-flor, salicórnia e algas

    Prestes a partir para os Açores durante um mês e a iniciar um projecto há muito planeado, mas não sem antes vos deixar mais uma receita. É sempre excitante quando algo que queremos muito está prestes  a concretizar-se. Excitante e assustador porque há sempre qualquer coisa que escapa ao plano.

  • Sopa de bacalhau com grão e coentros

    No Alentejo sente-se sempre uma azáfama atípica nesta altura, é a apanha da azeitona. Alguns já a apanharam e correm para o lagar, outros ainda andam de volta das suas oliveiras num sobe e desce de escadas e esticar e recolher de panais. Regulados pelas condições atmosféricas que por vezes tendem a não facilitar a vida, é assim durante vários dias. Trabalho duro, especialmente quando é feito de forma tradicional.

  • Lula grelhada com ananás dos Açores e molho de salsa

    Esta é uma versão do molho de salsa que se faz no Pico. As diferenças estão nas quantidades, principalmente do vinagre. A base do molho de salsa do Pico é o vinagre de vinho tinto, caseiro claro, porque se assim não for nem é a mesma coisa. Depois leva um pouco de água e só um fio de azeite. Há quem ponha um pouco de açúcar para equilibrar o vinagre. A menor quantidade de gordura torna-o muito aguado, o que à partida pode parecer pouco convidativo. Mas na realidade é perfeito para o peixe, regra geral, frito envolto em farinha de milho branco.

Back to top