• Tenho um enorme prazer a cozinhar peixe. Esta semana dei por mim a questionar porque tenho poucas receitas de peixe aqui no blog e fiquei com grande vontade de mudar isso. A simplicidade, a delicadeza e a frescura, uso sempre estas três palavras para explicar porque o peixe é a minha proteína de eleição. Acho ainda que se adapta perfeitamente à minha forma de cozinhar e à maneira como penso a comida, sem esquecer, claro, a relação que eu tenho com o mar.

  • piquenique beira mar

    Bem sei que já não estamos no verão, mas sinceramente pouco me importa. Ainda há por aí muito tomate crescido no auge da sua época e, por enquanto, a sensação de verão felizmente persiste em manter-se. Por isso aproveitem o que ainda resta deles!

  • Lagosta

    Ali na Prainha do Galeão em São Caetano, vez por outra ouve-se o guincho que ora devolve os barcos ao mar, ora os retira numa delicada e hipnotizante operação que todos param para ver. Inclusive os miúdos que ali passam os dias entre brincadeiras e saltos para a água. É uma baía calma e bonita, para mim a mais bonita do Pico. A presença da montanha neste lado da ilha é monstruosa. E bela. É isso que torna tão especial a Prainha do Galeão. Isso e a sua história, cujo nome assinala a memória dum galeão ali construído no século XVI como forma de pagamento de uma dívida ao rei D. João III.

  • Salada de bacalhau com tomate seco, cebolinho e azeitona

    É engraçado pensar que a minha relação com o bacalhau é algo que se foi construindo ao longo dos anos. Não era um ingrediente que despertava muito entusiasmo, confesso. Provavelmente faz parte daquele grupo que exige alguma maturidade para ser compreendido, digo isto porque hoje reconheço a sua riqueza gastronómica e percebo também a importância que teve e continua a ter na nossa cultura. Mas mais importante do que isso, hoje nunca digo não a um prato de bacalhau.

Back to top